Segunda-feira, 19 de Maio de 2008

ZÉLIA GATTAI

Confesso que não gostei, quando em 1986 fui obrigada a ir trabalhar para a Ilha do Faial, por seis semanas, Mas não havia escapatória possível. Eu era a funcionária mais nova do sector e no sector, portanto...

 

Como o período de permanência na ilha do Faial, seria longo demais para uma estadia num hotel, optei por ficar alojada na casa de uma amiga, fruto das férias de verão da minha infância e adolescência.

 

Apesar de desconhecer o ambiente familiar, gostei do quarto que me tinham preparado e sobretudo dos livros que estavam na estante aos pés da cama.

 

Ávida por um bom livro, deparei-me com um cujo título era por demais sugestivo mas, de uma escritora completamente desconhecida para mim.

 

Movida por um espírito entre anarca e utópico, "Anarquistas Graças a Deus", seduziu-me de imediato. Era um livro de memórias da própria escritora. Fiquei presa aquela leitura e já não me apeteceu sair do quarto. Recordo com emoção "seu" Ernesto e Dona Angelina, a luta dos imigrantes italianos, portugueses e espanhóis, na cidade de São Paulo.

 

Mais tarde, procurei e encontrei outros livros dela. "Um Chapéu Para a Viagem", "Jardim de Inverno", "Senhora Dona do Baile", "Chão de Meninos", entre outros, trouxeram emoções, em forma de escrita, aos meus retiros de leitura. Com eles conheci melhor "seu" Jorge (Jorge Amado), marido da escritora, ou melhor memorialista (como gostava de ser chamada), os filhos, os amigos (alguns faziam parte do meu imaginário, como sendo inatingíveis e, ela conhecia-os. Eram amigos!). Conheci, também, alguns países de leste, algumas cidades europeias, lugares pequenos, odores e aromas e sobretudo amor, vida e cor.

 

Zélia, menina atrevida, como lhe chamava Dona Angelina, partiu, sábado, 17 de Maio de 2008. Manteve até ao fim, apesar de se encontrar hospitalizada, o seu espírito comunicativo e o bom humor.

 

Foram, sem sombra de dúvida, 91 anos vividos, com aquela intensidade que a vida merece ser vivida.

 

OBRIGADA por tudo o que me deste, sem saberes que o fazias.

 

 

sinto-me: grata a Zélia Gattai
escrito por Eusinha às 18:07

link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Ze Maria a 22 de Maio de 2008 às 18:24
Muito interessante o Blog,,,, parabéns,,, voltarei com mais tempo. JM
De Eusinha a 22 de Maio de 2008 às 20:36
Obrigada pela visita e pelas palavras. Volte! Entre e sinta-se à vontade. Neste meu cantinho é sempre benvindo "quem vier por bem".
De Just Moments a 24 de Maio de 2008 às 22:28
Eu também agradeço, porque o que és hoje também é em parte devido a ela!!

Obrigada Amiga!!

beijinhos fofos
De Eusinha a 25 de Maio de 2008 às 10:44
Sim. Somos feitos de vivências e, as boas leituras fazem-nos crescer.

Beijinhos e bom domingo

Comentar post

.mais sobre o meu "eu"

.pesquisar no meu cantinho

 

.Novembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.escritos recentes

. Cansa-me o egoísmo

. Apetece-me dizer um palav...

. Bom dia! E um sorriso.

. Entre partir e ficar

. ...

. OBRIGADA, Bernardo Sasset...

. Cesária Évora - a outra f...

. Breves

. Sentir pena ou vontade de...

. Quereres

.coisas que eu já escrevi

.tags

. todas as tags

.favorito

. De dois em dois o caracol...

. Como irritar o signo de …

. O que alguém escreveu sob...

. Saudade

. Pensamento (meu) sobre o ...

. Paixão Motard

. DEDICADO A TI; AMIGA

. Sinto falta

. Abraço

. Sim...

blogs SAPO

.subscrever feeds