Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2010

Recuando no tempo... desespero actual

Dia 1 de Janeiro de 1980. Quinze horas e quarenta minutos.

 

Dia de Ano Novo. O almoço foi animado. Lá em casa era sempre assim. Planeando o dia seguinte, cada um de nós foi desenvolver tarefas pendentes e necessárias. Nós as manas, estamos juntas. Os pais estavam no outro lado da casa.

 

Entre risos, cambalhotas, e gargalhadas, surgiu um ruído estranho. Ruído que passou a estrondo. A casa, sacudia e retorcia. Os objectos caiam de todos os lados. Da rua, chegavam gritos. Peguei na minha irmã mais nova ao colo e abracei a outra. Tentamos chegar à porta da rua. Encontramos os meus pais que vinham em nosso auxílio. Dirigimo-nos para a rua. A porta não abria. Os gritos continuavam a chegar e o barulho de pedras a rolar e paredes a cair.

 

Conseguimos sair. O caos estava ali mesmo à nossa frente. A igreja que ficava mesmo em frente, estava parcialmente destruída. Ao olharmos para trás, verificamos que aquela que tinha sido a "nossa" casa, e de onde tínhamos acabado de sair, era um monte de escombros...

 

Nós, a família de cinco pessoas, estava bem. Sem nada. Mas juntos.

 

Perante a tragédia de Haiti, senti-me paralisar. Não consegui raciocinar de uma forma coerente. Fiquei à beira do desespero. De um desespero antigo. De um desespero recente. O que fazer?

 

 

P.S. Acabei de receber uma chamada telefónica. Alguém que conta comigo para ajudar a angariar fundos. Mãos à obra! Há quem precise de mim, de nós!

 

 

 

 

 

sinto-me: a pôr as ideias no papel
escrito por Eusinha às 15:32

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 16 de Dezembro de 2009

Dia "D"

Amanhã, será o dia "D"...

 

Pode muito bem ser o início de uma etapa irreversível, ou ser, simplesmente, um ponto final na linha da vida.

escrito por Eusinha às 20:40

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 8 de Dezembro de 2009

...

Uma boa dose de angústia existencial e uma caixa de Toblerone, união perfeita.

sinto-me:
escrito por Eusinha às 10:57

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Sábado, 11 de Outubro de 2008

Quinze cravos vermelhos

 

Quinze cravos, vermelhos!

 

Os teus preferidos.

 

Um por cada ano da tua ausência... PAI!

sinto-me:
escrito por Eusinha às 13:11

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 14 de Agosto de 2007

Estado de alma

Deve ter sido com um estado de espírito semelhante a este em que me encontro, que António Variações, escreveu o "Estou além".

 

Hoje será um daqueles dias em que a ansiedade e as incertezas, acompanhar-me-ão, como fiéis companheiras.

 

Sei que é preciso fazer qualquer coisa, mas nem sei bem o quê. Tenho a sensação que tudo aquilo que eu possa fazer hoje, resultará num fracasso tremendo e terá consequências desastrosas.

 

Apetece-me ficar e partir. Independentemente de onde ficar ou para onde partir.

 

Tenho a estranha sensação que tudo estará voltado ao contrário.

 

Há alguns anos atrás, uma conhecida minha fez, lá para os lados de Coimbra, uma cura de sono.

Se calhar isso seria o ideal. Uma cura de sono, da qual eu acordasse, revigorada de energias, pensamentos e sentimentos.

 

Dava-me um certo jeito, acordar com a alma clara de uma linda manhã de verão, cheia e de reflexos dourados de sol, em vez de um final de tarde escuro, carregado de nuvens negras em anúncios de tempestade.

 

Dou-me conta que, o único sitio, onde me apetecia estar neste momento era em Manhouce .

 

Estranho, há cerca de um ano, fui lá pela primeira vez e hoje apetecia-me voltar lá. Em Manhouce as pessoas são genuínas e de alma lavada. contam-nos as suas histórias de vida como se nos conhecessem desde sempre...

 

Era, efectivamente lá que eu queria estar. Sentada, talvez, numa qualquer soleira de porta, a ver quem passa e a dar dois dedos de conversa, quem sabe até a falar sobre aquela abóbora enorme que "saltou" do serrado para a estrada e que alguém lhe fez um apoio preso no muro para que não caísse na estrada e se estragasse...

 

Ver as coisas simples de gentes simples, que por amor à terra onde nasceram e cresceram, fizeram dela uma das mais bonitas aldeias deste país.

 

Curiosamente, dei-me conta agora, que comecei a falar de António Variações, divaguei até chegar a Manhouce , terra de  uma mulher extraordinária (infelizmente não a conheço pessoalmente), dona de uma voz magnifica e pura e que também cantou e canta "Deolinda de Jesus", falo, obviamente de Isabel Silvestre.

 

O meu estado de alma, melhoraria, se ouvisse António Variações e visitasse Manhouce .

 

Afinal, até sei o que quero fazer hoje... Mas, há sempre um mas..., não posso!

 

 

sinto-me:
música: Estou além, de António Variações
escrito por Eusinha às 08:57

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre o meu "eu"

.pesquisar no meu cantinho

 

.Novembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.escritos recentes

. Recuando no tempo... dese...

. Dia "D"

. ...

. Quinze cravos vermelhos

. Estado de alma

.coisas que eu já escrevi

.tags

. todas as tags

.favorito

. De dois em dois o caracol...

. Como irritar o signo de …

. O que alguém escreveu sob...

. Saudade

. Pensamento (meu) sobre o ...

. Paixão Motard

. DEDICADO A TI; AMIGA

. Sinto falta

. Abraço

. Sim...

blogs SAPO

.subscrever feeds