Sábado, 14 de Maio de 2011

Quereres

Hoje, queria um quarto,

uma cama (não importa a largura),

rosas e velas espalhadas por todo o espaço,

um vinho fresco, para nos refrescarmos (e aquecermos de seguida).

 

Hoje, queria o teu beijo, o teu cheiro e o teu sabor,

o teu corpo nu...

 

Hoje, queria tanto, fazer amor...

Contigo!

sinto-me:
escrito por Eusinha às 16:24

link do post | comentar | favorito
Domingo, 27 de Março de 2011

Quero

Quero despir esta pele e, vestir outra

Mais leve, mais alegre, mais feliz.

Quero deambular sorridente

Por entre as àrvores

E sorrir como resposta

Ao chilrear da passarada.

 

Quero cheirar a rosa que desabrocha ao meu lado

Sentir a Primavera nos cabelos.

Quero sentir-me viva e vivida

Por cada dia passado, por hoje,

E pelo futuro viajar, sem medo,

Aqui e agora.

 

Quero apenas a liberdade de ser.

De estar, de sentir.

Quero deixar-te lá bem atrás

Onde ficam as memórias

A esquecer.

 

Quero!

 

 

 

 

 

 

sinto-me:
tags: , , ,
escrito por Eusinha às 14:14

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 28 de Novembro de 2010

Cântico Negro, José Régio

"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...
A minha glória é esta:
Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.
— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!

 

 

 

P.S. É exactamente isto: "Não sei por onde vou, não sei para onde vou, SEI QUE NÃO VOU POR AÍ!

sinto-me:
tags: , , ,
escrito por Eusinha às 14:25

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 26 de Setembro de 2010

Apeteceu-me

Ontem, levei o dia todo com a certeza de que apenas a tua voz me traria tranquilidade. Precisava ouvir-te a dizer um poema... Hoje fui pequisar e, encontrei este... O mar... Sempre o mar...

 

 

 

P.S. Tenho muitas saudades tuas... Sinto falta daquele abraço...

sinto-me:
escrito por Eusinha às 18:52

link do post | comentar | favorito
Domingo, 30 de Maio de 2010

De desejo somos

 

A vida, sem nome, sem memória, estava sozinha.

Tinha mãos, mas não tinha em quem tocar.

Tinha boca, mas não tinha com quem falar.

A vida era uma, e sendo uma era nenhuma.

Então o desejo disparou sua flecha.

E a flecha do desejo partiu a vida pela metade, e a vida tornou-se duas.

As duas metades se encontraram e riram.

Ao se ver, riam; e ao se tocar, também.

 

Eduardo Galeano

escrito por Eusinha às 00:32

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Domingo, 21 de Março de 2010

Dia Mundial da Poesia

Hoje, é o Dia Mundial da Poesia.

 

E, porque a poesia faz parte da minha vida (quase como se de um alimento se tratasse), deixo aqui este poema, que dedico a todos quantos continuam a visitar este meu cantinho, continuam a deixar comentários e a lembrar-se de mim... Obrigada,

 

Coisas, Pequenas Coisas

Fazer das coisas fracas um poema.

Uma árvore está quieta,
murcha, desprezada.
Mas se o poeta a levanta pelos cabelos
e lhe sopra os dedos,
ela volta a empertigar-se, renovada.
E tu, que não sabias o segredo,
perdes a vaidade.
Fora de ti há o mundo
e nele há tudo
que em ti não cabe.

Homem, até o barro tem poesia!
Olha as coisas com humildade. 

                                           Fernando Namora, in "Mar de Sargaços"

sinto-me: a precisar de um café FORTE
escrito por Eusinha às 10:40

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 29 de Setembro de 2009

Outono

Choveu toda a noite.

As insónias voltaram.

O cansaço toma de assalto, o corpo e a mente.

A descontração desapareceu, como por magia.

Procurei na  "Poesia Completa" de Natália Correia (livro que me foi oferecido pela minha querida amiga Aida, apenas porque lhe apeteceu), algum conforto. Não encontrei o conforto. Descobri este poema:

 

Outono

 

Largo silêncio amadurece o Outono

O coração das folhas em letargo.

De alcantilado bosque cai no sono

O parque. Modorra a luz no lago.

E a natureza ali rendida à calma

Escuta, toda ouvidos num nenúfar.

Rumores da Eternidade que a sua alma

Antiga toca numa cana-de-açucar.

 

Natália Correia

 

Algo aconteceu, que me levou à conclusão de que não gosto do mês de Setembro nem tão pouco do Outono.... Já sinto saudades do meu mar de Agosto. E, hoje não me apetece valorizar as pequenas grandes coisas da vida!

 

sinto-me:
escrito por Eusinha às 08:54

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Saudades...

 

 

Sim, tenho saudades.

Mas estas são como as folhas:

Verdes e fortes na Primavera

Laranjas e castanhas no Outono.

 

De início, marcantes

No topo das àrvores

Depois...

Frágeis pelo chão...

sinto-me:
escrito por Eusinha às 00:23

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 23 de Setembro de 2009

...

Sei que é um poema de Regina Guimarães, mas desconheço o nome... Este motivo deveria ser suficiente para não ousar transcrevê-lo, no entanto, ele é de uma beleza tal, que seria egoísmo da minha parte não o deixar aqui.

 

 

 Espaço sem portas, sem estradas, o do amor.

O primeiro desejo dos amantes

é serem velhos amantes

e começarem assim o amor

pelo fim.

 

Regina Guimarães     

 

 

       

P.S. Caso alguém, que visite este meu  cantinho, saiba o nome deste poema, agradecia que me informasse.

Obrigada

sinto-me:
tags: , , , ,
escrito por Eusinha às 18:50

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Domingo, 5 de Julho de 2009

Final de tarde

Gosto dos finais de tarde tranquilos.

Uma esplanada.

O mar.

Um livro.

A paz.

 

Suficientemente longe, para estarem perto, os ruídos:

do marulhar,

das crianças,

das gaivotas,

da vida.

 

Enche-se-me a alma

de paz,

de vida,

de amor,

de felicidade.

 

Tenho ali tudo! Não preciso de mais...

sinto-me:
escrito por Eusinha às 16:04

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

.mais sobre o meu "eu"

.pesquisar no meu cantinho

 

.Novembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.escritos recentes

. Quereres

. Quero

. Cântico Negro, José Régio

. Apeteceu-me

. De desejo somos

. Dia Mundial da Poesia

. Outono

. Saudades...

. ...

. Final de tarde

.coisas que eu já escrevi

.tags

. todas as tags

.favorito

. De dois em dois o caracol...

. Como irritar o signo de …

. O que alguém escreveu sob...

. Saudade

. Pensamento (meu) sobre o ...

. Paixão Motard

. DEDICADO A TI; AMIGA

. Sinto falta

. Abraço

. Sim...

blogs SAPO

.subscrever feeds